Curtas da política: as denúncias de corrupção e o resultado das urnas

ib entrelinhas topo

Tiro pela culatra

A Comissão Parlamentar de Inquérito que investigou o vice-prefeito Jovino Cardoso Neto (PSD) só andou graças aos vereadores Fábio Fiedler (PSD) e Jefferson Forest (PT), relator e denunciante. Jovino estará no parlamento a partir de 2017. Fábio e Jefferson não.

Ou seja, as denúncias não colaram no vice-prefeito a ponto de inviabilizar sua eleição. Já para os adversários..

O peso das denúncias

Fábio Fiedler (PSD) e Robinho (PR), que tiveram seus mandatos suspensos por quase um ano por determinação da Justiça Eleitoral, ficaram de fora, assim como o suplente Braz Roncáglio (PR). Todos foram acusados de crimes eleitorais, após serem flagrados em escutas da Operação Tapete Negro. Conseguiram reverter na terceira instância em Brasília. Mas não nos corações e mentes do eleitorado de Blumenau.

A exceção

Daquele time de cinco vereadores ( três titulares e dois suplentes) denunciados e condenados  em duas instâncias ( o processo parou em Brasília, quando entendeu-se que os acusados não puderam defender-se corretamente),  apenas Almir Vieira, hoje no PP, garantiu vaga. Recebeu 2.343 votos contra 4.257 em 2012. Naquela época não foi eleito por conta do quociente eleitoral, que agora garantiu sua cadeira.

O peso das denúncias 2

As acusações de corrupção também atingiram direto o desempenho do Partido dos Trabalhadores. Os candidatos aqui não estavam envolvidos em denúncias, mas os reflexos da cúpula nacional foram inevitáveis. Jefferson Forest e Vanderlei de Oliveira que o digam.

1 Comentário

  1. pior prefeito do mundo…pior prefeito do mundo…pior prefeito do mundo..Napo Nopo Napo

Deixe uma resposta