Blumob diz que “não há argumentos que justifiquem posições intransigentes”

Foto: divulgação

A Blumob emitiu uma nota oficial sobre a negociação com os trabalhadores do transporte coletivo de Blumenau que estão em campanha salarial, depois que o Sindetranscol anunciou possíveis paralisações durante a semana.

Confira:

“Nos dias 6, 7 e 8 de novembro estiveram reunidos os representantes do sindicato dos empregados do transporte coletivo de Blumenau e Gaspar (SINDETRANSCOL) e do SETPESC, representando as empresas, dentre elas, a BluMob.

Houve evolução nas discussões em relação à pauta social, vinculadas à aceitação da proposta do lado empresarial, com manutenção das cláusulas de benefícios já existentes e outros pontos solicitados pelo sindicato.

O sindicato dos trabalhadores reivindica, além do INPC de 4%, um aumento real de 5% nos salários e 12,33% sobre o vale alimentação, e entre outros itens.

Com o reajuste solicitado, os salários de motoristas passariam para R$ 2.672,42 e R$ 1.564,50 para cobradores. O vale alimentação de todos passaria para R$ 820,00 mensais.

O reajuste de 9% nos salários, que conforme contrato da concessão pesa 65,17% na tarifa, teria impacto já a partir de 1 de dezembro deste ano de 5,87%, o que corresponde a um aumento de R$ 0,24 na tarifa de todos os usuários.

Ao longo dos últimos 10 anos, somente como exemplo, o aumento dos salários e benefícios dos funcionários acumula forte alta em relação à inflação. Assim, não há como se falar em perdas, uma vez que a reposição inflacionária já foi oferecida também este ano, sendo muito superior ao que ocorreu com centenas de acordos e convenções firmados este ano no estado de Santa Catarina e na cidade de Blumenau, quando o INPC foi de metade do atual.

Até o momento não houve qualquer comunicação formal sobre greve, conforme prevê a legislação. Acreditamos que não há espaço também para causar prejuízos aos usuários sem a devida comunicação prévia, em tempo hábil, ainda com uma negociação em andamento.

A empresa confia no diálogo e permanece aberta para as negociações. A greve causa enormes impactos aos funcionários e principalmente aos usuários, às empresas e comércio da cidade. Com todas as obrigações em dia e uma proposta extremamente coerente com o momento econômico do país e da cidade, com seus impactos que já serão sentidos por todos os usuários e a economia local, não há argumentos que justifiquem posições intransigentes.”

1 Comentário

Deixe uma resposta