A Justiça e os mutirões para desapropriar terrenos para a duplicação da BR 470

O juiz federal Adamastor Nicolau Turnes participou da reunião desta segunda-feira, 10, para falar sobre a situação dos mutirões para desapropriações de imóveis na BR 470, por conta das obras de duplicação da rodovia. O evento, promovido pelo Comitê em Prol da Duplicação, teve a participação também do superintendente do DNIT, Ronaldo Carioni.

Já foram três mutirões, sendo que em dois deles houve 100% de acordos. Mas o terceiro, que envolve os trecho do viaduto da Mafisa e o Trevo de Badenfurt, 30% – cerca de 20 processos – não foram finalizados. O juiz fez questão de salientar que nos casos que não houve acordo, os advogados não eram de Blumenau.

O juiz Adamastor ainda tem esperança de agilizar os processos que faltam.

Fez questão de destacar que o mutirão só começa a ser feito na Justiça depois que o DNIT deposite o recurso estimado para pagar os proprietários, fazendo que, no caso de acordos, os pagamentos sejam feito de forma muito célere.

Apesar de todo o esforço da Justiça Federal de Blumenau, ainda são muitas as desapropriações em todos os quatro lotes. 90% está pendente, mas os 10% já realizados aconteceram em áreas consideradas mais críticas para a evolução da obra.

O Informe Blumenau transmitiu ao vivo a apresentação do juiz Adamastor Nicolau Turnes, confira aqui

Sobre o estágio das obras na BR 470, leia aqui.

Sobre a falta de representatividade política na reunião desta segunda-feira, leia aqui.

 

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta