1964, um ano para não esquecer, mas nunca para comemorar

Foto: Gervásio Batista/arquivo público de de São Paulo

Alexandre Gonçalves

Jornalista

 

 

Posso dizer que fui concebido no epicentro do golpe. Nasci em janeiro de 1965, nove meses depois daquele fatídico abril de 1964.

Filho de pai militar, cresci durante o regime que governou o Brasil com mãos de ferro durante 21 anos, cerceando liberdades individuais, perseguindo adversários e enriquecendo amigos.

Acompanhei parentes distantes e pessoas conhecidas tendo familiares torturados, mortos ou até desaparecidos por não concordarem com os rumos que o país tomava.

Terroristas eram a justificativa para a violência, mas muita gente de bem foi vítima, simplesmente por não concordar com o que acontecia.

Então, antes de nada, é preciso dizer que foi golpe sim, um golpe militar, orquestrado entre lideranças das Forças Armadas e o empresariado brasileiro, com o aval de parte da população, em especial dos grandes centros urbanos.

Tudo contra “o comunismo”, como agora, 54 anos depois.

É verdade que boa parte da população foi favorável a derrubada do Governo do João Goulart, um dos tantos vice-presidentes que tivemos. Mas é mentira dizer que concordaram com o que veio depois.

O ambiente era outro, vivíamos o auge da tensão da Guerra Fria entre EUA e a ex-União Soviética e ainda aceitava-se que conflitos internos virassem caso para militares. Aconteceu por toda América, mas hoje é inconcebível aceitar que as coisas se resolvam na bala e na força.

Naquele 1964, 1965, nascia uma força empresarial na comunicação que teve papel preponderante na legitimação de uma determinada ideia e concepção política. O Grupo Globo, em especial a TV Globo, que nasceu no mesmo ano que eu, foi decisiva para construir um discurso unificado “pelo bem do país”, buscando legitimar um Governo que não tinha votos e se impunha pela força.

Pode parecer bizarro hoje, mas a televisão da década de 1970, 80 e 90 tinha a mesma – ou até maior? – influência que tem hoje a Internet. Foi o veículo que até os anos 2000 conseguiu “unir” um país continental como o nosso através das transmissões em rede nacional, que fez hoje a “comunista” Globo consolidar-se. Sem contraponto, ao contrário de agora.

Os casos de corrupção não se restringem aos políticos civis, aliás, não se restringem aos políticos, basta ver o almirante e o capitão envolvidos nas denúncias contra o ex-presidente Michel Temer (MDB). A diferença, para agora, é a censura.

A Odebrechet e a Andrade Gutierrez, para ficar em apenas duas empreiteiras, cresceram de forma vertiginosa em poucos anos de Governo Militar. Casos como da Caixa de Assistência dos Militares, a Capemi, da Coroa-Brastel, superfaturamento da ferrovia Norte Sul e desvios de recursos na construção da Transamazônica são alguns exemplos que vieram a público.

Maluf, Sarney,Antônio Carlos Magalhães, Fernando Collor de Mello, Ademar de Barros e Edison Lobão foram alguns dos tantos políticos nascidos do ventre militar.

Então, neste dia 31 de março, não há o que comemorar.

Até entendo – apesar de discordar veementemente – quem acha que a Ditadura foi a solução para aquele momento do país.

Mas negar a existência dela é distorcer, ser desonesto com a história. E querer celebrar a data, como o presidente Jair Bolsonaro (PSL) quer, é um ato de falta de humanidade e de desrespeito aos direitos civis universais.

 

 

5 Comentário

  1. Muito bem sintetizado pelo articulista o q foi esse período de horror e exceção. O mais lamentável é termos q um tal “chefe” da nação comemorar essa aberração.

  2. Sr. Alexandre Gonçalves. Coloque na sua cabeça que o regime militar foi para nos livrar do Comunismo. Se não fosse ele, com certeza hoje estaríamos sob um regime Como Cuba, União Soviética e Venezuela. Isso já é muito para um povo que quer ter LIBERDADE..

  3. Só foram presos pelos militares pessoas que queriam fazer baderna, que queriam o comunismo , baderneiros de plantão , tipo Dilmas da vida . Meu Pai nos contava que pessoas de bem não foram presas, trabalhadores não foram presos , só os bardeneiros tomaram paulada , e pelo jeito foi pouco. Hoje os MST , PT , PSOL e tantos outros estão com dor de cotovelo por termos militares no comando do país , acabou a mamata , vão ter de trabalhar .

  4. Parabéns professor belo texto…..o pior é ainda ver gente com o mesmo discurso de alguns meses atrás que ainda não conseguiram fazer uma leitura coerente do atual momento político

Deixe uma resposta