A tragédia, uma das essências do futebol

Alexandre Gonçalves

Jornalista

 

Quem me acompanha sabe, sou um apaixonado torcedor do Grêmio, daqueles que assistem praticamente todos os jogos pela TV.

Nesta terça-feira, o futebol mostrou como é uma montanha russa de emoções, do céu ao inferno em poucos instantes. No melhor campeonato de todos que temos por essas bandas, a Libertadores, com a cara e a marca gremista.

Grêmio e River Plate.

Em vantagem, numa Arena lotada, meu Grêmio jogou muito mal no primeiro tempo, mas achou um gol no final. Cresceu, voltou no segundo tempo com mais gás e parecia que era questão de tempo o segundo gol. Chance para comemorar não faltou.

Mas os gringos fizeram um gol faltando menos de dez minutos para o fim.

Tricolor ainda em vantagem, mas era o começo do drama. A alegria, a euforia, deu lugar a apreensão.

Em seguida, o pênalti que ninguem viu na hora, mas o VAR acertou. O desastrado zagueiro Bressan – uma das faces desta tragédia – levantou o braço flagrantemente, culminando com a eliminação do Grêmio.

Resumo da história.

Cá estava eu pensando em como cornetear os amigos torcedores de outros times, em especial os colorados, quando me vejo nesta situação.

É uma tragédia. Mas ao mesmo tempo, a energia do futebol.

Meu conceito sobre o meu time permanece. Quero que esteja nas cabeças, disputando a parte de cima das competições.

Obrigado Grêmio. Parabéns River.

Isso é futebol.

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta