Trechos sobre o livro de jornalista blumenauense sobre o programa de Fátima Bernardes

livro fatima bernardesA jornalista blumenauense Roseméri Laurindo lançou recentemente em São Paulo um livro sobre o programa de Fátima Bernardes. Nesta semana será a vez de Blumenau. O evento acontece na Livrarias Catarinense do Shopping Neumarkt, em Blumenau. O Informe Blumenau conseguiu trechos exclusivos do livro com a jornalista Nane Pereira, que assessora a publicação, e nos enviou mais detalhes sobre a obra.

 

Gêneros jornalísticos. Depois de dois anos de pesquisa para o estágio de pós-doutorado em Comunicação, a escritora e jornalista Roseméri Laurindo encontrou no programa Encontro com Fátima Bernardes o exemplo para comprovar a sua tese de autor-jornalista-marca no gênero jornalístico diversional. Os resultados do trabalho estão agora publicados em um livro que, além da análise acadêmica, conta com mais de 20 páginas de entrevista exclusiva com a apresentadora e também jornalista Fátima Bernardes. Ela responde os questionamentos sobre os segredos e as estratégias adotadas pela equipe na Rede Globo de Televisão. O livro “O Jornalismo Diversional de Fátima Bernardes”, de Roseméri Laurindo, produzido e distribuído pela Primavera Editorial (SP), será lançado em Blumenau (SC) na próxima quinta-feira (17), às 19h30min, na Livrarias Catarinense, no Shopping Neumarkt.

A equipe do Informe Blumenau conseguiu alguns trechos do livro com exclusividade. Confira:

Este livro apresenta os gêneros jornalísticos compreendidos por meio de um tipo autoral denominado autor-marca, que traduz um conceito aplicado em pesquisa acadêmica que classificou o programa televisivo Encontro com Fátima Bernardescomo modelo de jornalismo diversional.

(…)

Nem elitista, nem popularesca, é o desafio do equilíbrio de identidade da Globo.

(…)

Mesmo sob o rótulo de entretenimento exibido na tela final do programa, EFB traz caráter informativo para as manhãs, com assuntos diferenciados, além de notícias curtas sobre o que acontece no Brasil e no mundo, tratados com o rigor dos parâmetros jornalísticos quanto à apresentação de fatos. Com especialistas na discussão, aumentam as perspectivas informativas, interpretativas e opinativas, gerenciadas pelo posicionamento conversacional de Fátima Bernardes, que indaga por experiências dos convidados e pede opiniões, além de não se furtar de emitir a sua. Desse modo permanece o sentido de vigilância e fiscalização, da necessidade de informação, com pontos de vista distintos e envoltos em clima de entretenimento quando costurados com cenas de telenovela, brincadeiras, danças e quadros de humor.

(…)

Fátima – O que eu percebo, na verdade, é que o público que assiste televisão, ele sabe que eu sou jornalista e ele diferencia pouco, às vezes, o que eu fazia do que eu faço. E nisso ele é muito sábio, porque eu não deixei de ser jornalista. Mudei completamente minha função, o que eu faço hoje é um programa muito mais de entretenimento, com um fundo jornalístico, mas eu sou jornalista do mesmo jeito.

(…)

Fátima: O que eu noto é que o jornalismo cria uma certa formalidade, um certo respeito, como se aquela pessoa, que trabalha ali a frente de um telejornal tão importante  quanto o Jornal Nacional fosse alguém importante, que sabe de muita coisa, que sabe o que é importante no Brasil e no mundo e essa pessoa hoje, essa Fátima jornalista que trabalha de manhã, é alguém um pouco mais próxima talvez desse público, alguém que mostra mais que vive os mesmos problemas que o público vive, porque os temas são mais voltados para assuntos muito do dia a dia.

(…)

Fátima: Então eu acho que um segredo para quem trabalha com entrevista é: você tem que gostar de gente. Tem que gostar de ouvir histórias, gostar de interagir mesmo e eu adoro isso; sempre gostei, desde criança.

(…)

O discernimento que Fátima Bernardes tem sobre jornalismo e entretenimento contribuiu para o alinhamento do programa numa aposta inovadora, alicerçada em suas práticas jornalísticas clássicas e com desejo de assumir-se frente às possibilidades de divertir-se com o público.

 

SOBRE A AUTORA

Foto: Assessoria/Divulgação
Foto: Assessoria/Divulgação

A jornalista e escritora Roseméri Laurindo, natural de Blumenau, é Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa. Mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia. Graduada em Comunicação Social – Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina. É Coordenadora do Curso de Jornalismo da Universidade Regional de Blumenau (FURB), onde é professora titular de Teorias da Comunicação. Realizou estágio pós-doutoral na Cátedra Unesco de Comunicação para o Desenvolvimento Regional, junto à Universidade Metodista de São Paulo, com apoio do CNPq. É integrante do Grupo de Pesquisa Pensa-Com/Brasil, liderado por José Marques de Melo. É Coordenadora do Grupo de Pesquisa sobre Gêneros Jornalísticos da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares em Comunicação (Intercom). Em 2014, recebeu o Prêmio Luiz Beltrão de Ciências da Comunicação, da Intercom, na categoria Liderança Emergente. Autora de várias publicações jornalísticas e científicas, dentre as quais o livros o AI-5 na Academia – O manual do lead usado pelos golpistas de 1964 para punir o ensino de jornalismo -, pela Edifurb (2014).

 

SERVIÇO

Lançamento do livro “O Jornalismo Diversional de Fátima Bernardes”, por Roseméri Laurindo

17 de dezembro, a partir das 19h30min

Livrarias Catarinense, Shopping Neumarkt (Rua 7 de Setembro, 1213 – Centro, Blumenau (SC).

Livro: 128 pág. R$ 29,90.

Primavera Editorial: http://www.primaveraeditorial.com/produto/edu/o-jornalismo-diversional-de-fatima-bernardes

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta