Santa Catarina: um estado cervejeiro

FOTO: divulgação Oktoberfest

Opinião aviso artigos terceiros

carlo_lapolli_dtq
Carlo Lapolli
Presidente da Associação das Micro Cervejarias Artesanais de Santa Catarina (Acasc)

 

Não dá pra negar que a tradição cervejeira em Santa Catarina começou com os imigrantes alemães que desembarcaram no Vale Europeu. Mas também é impossível não perceber que a cultura da cerveja artesanal, seus benefícios para a economia e o desenvolvimento de uma indústria de apoio a esse setor já tomou o estado de Norte a Sul.

Muito inspirados pela cultura cooperativista dos vitivinicultores que construíram uma história de reconhecimento para o estado no segmento, também estamos apostando no cooperativismo e na colaboração entre as empresas para aprender e despontar.

carlo_lapolliMapeamos, através da Acasc, mais de 50 marcas de cerveja atuando ou em implantação em Santa Catarina. Algumas com fábricas próprias, outras com produção terceirizada. Elas estão localizadas em 32 cidades que vão desde os maiores do estado até municípios com menos de 20 mil habitantes. Isso significa que, em mais de 10% das cidades catarinenses estão sendo comercializadas cervejas com foco na qualidade.

Blumenau, como berço desta atividade, está buscando o reconhecimento como Capital Nacional da Cerveja. Falta apenas a aprovação no Senado. Doze cervejarias da Grande Florianópolis e região acabaram de criar o programa Eu Bebo Cerveja Local, que estimula o uso de growlers (garrafas retornáveis específicas para transporte de chope) para que o consumidor possa aderir à cultura cervejeira com descontos especiais e conheça as marcas produzidas perto da sua casa. Há ainda o Vale da Cerveja, projeto que estimula o turismo no Vale Europeu através de visitas e degustações nas cervejarias locais que também já está sendo replicado no “Caminho Cervejeiro” na região metropolitana da capital. Isso sem contar o esforço individual de cada marca.

Vale ressaltar que toda essa movimentação só acontece porque temos aqui dois grandes diferenciais. O primeiro é que a maioria dos nossos empreendedores reúne a preocupação com a gestão do seu negócio à paixão pela cerveja. O segundo é que graças a uma cultura já arraigada, temos aqui um consumidor que está acima da média nacional em conhecimento sobre a bebida e que estimula nossas cervejarias a irem cada vez mais longe. Um brinde!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta