Projeto da Taschibra dentro de unidade prisional completa 10 anos

Enquanto muitos viram as costas para o que acontece dentro dos muros do sistema prisional brasileiro, a Taschibra investe num importante projeto de ressocialização há 10 anos, em Indaial, onde tem sua sede. “É o trabalho que reacende”, que atingiu nesta década 80% dos apenados que passaram pela UPA da cidade.

A Taschibra, uma das maiores indústrias de iluminação da América Latina e instalou uma fábrica no local. Hoje, 75 apenados trabalham no local.

Bruno Ricardo Alves Paes é um desse apenados. Há oito meses detido, ainda tem mais um ano de pena para cumprir. “Sem o projeto seria complicado porque não teria como ocupar a mente de maneira positiva. Aprendendo e trabalhando vou sair daqui um cidadão melhor”, fala. Darbi de Mattos Siqueira ainda tem cinco anos de pena pela frente. Desde que começou a trabalhar se sente diferente. “Aprendi a ser mais calmo, mais paciente, a conviver com o próximo”, relata.

A mudança no comportamento dos presos mudou a realidade dentro da Unidade Prisional de Indaial. “O trabalho deixa a rotina dentro da unidade mais tranquila. Além disso, o projeto inverteu uma situação: antes as famílias ajudavam quem estava aqui dentro. Agora, quem está aqui se sente útil e ainda consegue ajudar a família com o salário que recebe, um salário mínimo por mês”, diz o diretor da Unidade, Ricardo da Silva Morlo.

O projeto “O trabalho que reacende” funciona como uma extensão da fábrica da Taschibra. Sempre que um produto é lançado, um funcionário da empresa vai até a UPA de Indaial para treinar os apenados na linha de produção. São produzidos diversos tipos de luminárias, somando aproximadamente 1,5 milhão de peças por mês.

Os detentos são responsáveis por todo o processo, desde a montagem dos circuitos até a colocação nas embalagens. O produto sai pronto para ser vendido. O material necessário para produzir as peças é levado diariamente para a unidade e caminhões buscam os produtos prontos até quatro vezes por dia. O que é produzido na Unidade Prisional de Indaial passa pelo setor de qualidade, assim como tudo o que é feito na linha de produção da empresa.

Os detentos dedicam 42 horas da semana para “O trabalho que reacende” e recebem um salário mínimo por mês. A cada três dias de trabalho, um é descontado da pena. “Desde o ano passado, o projeto funciona em um novo espaço dentro da unidade, com uma estrutura com 400 metros quadrados que melhora ainda mais as condições de trabalho de quem participa do projeto”, conta o gerente de patrimônio da Taschibra, Renato Grahl.

Da redação, com informações da Oficina das Palavras.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta