Opinião: transformar é evoluir

Foto: reprodução internet

Por Donizete Böger – gerente do Sebrae/SC Vale

Você pode até não fazer parte do universo das pessoas que fazem negócios online. Mas, certamente, sente no dia a dia os impactos da tecnologia ligada à comunicação. Uma reunião que foi reduzida a um e-mail, uma mensagem que resolveu uma questão urgente, o anúncio de um serviço que você mesmo precisava e acelerou a resolução de um problema.

Conforme dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), o faturamento de vendas online em 2019 deve chegar a R$ 79, 9 bilhões, ou seja, 16% a mais se comparado com o ano passado. Além disso, segundo pesquisa divulgada no início deste ano e realizada em outubro de 2018 pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) Conecta, 52% das pessoas das classes A, B e C não conseguem ficar um dia sem usar o celular.

É notável que as transformações online mudaram a forma como vemos o mundo. Hoje temos tudo literalmente na palma da mão. Não é surpresa, então, que evoluísse também os processos ligados aos negócios.

Na próxima semana, o Sebrae/SC em parceria com Portal Transformação Digital realiza a Semana de Transformação Digital. Traremos informações sobre ferramentas digitais que estão fazendo com que os negócios ganhem celeridade e os empreendedores consigam imprimir uma velocidade ainda maior nos seus resultados.

Todos podem participar. É gratuito e online. Montamos uma programação que atende desde os empresários que ainda não estão imersos nas oportunidades digitais até novidades para quem já usa essas ferramentas. Da micro à grande empresa. Do MEI ao empregador de dezenas de pessoas.

Assim como uma das práticas contemporâneas do universo digital, iremos disponibilizar e democratizar o acesso à informação. Faremos isso com a certeza de estarmos contribuindo ainda mais para o crescimento dos negócios. Afinal de contas, que o ambiente digital já mudou a forma como consumimos, vivemos e resolvemos problemas, alguém duvida que ele fará o mesmo pelos nossos negócios?

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta