O caos dos transporte coletivo de Blumenau e a missão de Sérgio Chisté

A situação do transporte coletivo de Blumenau é um verdadeiro barril de pólvora, prestes a estourar. As dificuldades financeiras e gerencial da empresa Nossa Senhora da Glória, responsável por cerca de 70% do serviço, são enormes e não estão devidamente dimensionadas para o grande público. O risco de colapso do sistema é iminente. Nos últimos três meses o salário dos trabalhadores não foi pago em dia e o resultado foram paralisações e prejuízos para milhares de usuários. Mas os problemas não param por aí, tem o não recolhimento de direitos trabalhistas, documentação vencida em alguns veículos e o sucateamento da frota, entre outros.

Como poder concedente, a Prefeitura criou há um mês uma comissão para ver o que pode ser feito. E essa semana chamaram o ex-presidente do Seterb, Sérgio Chisté, que agora volta como diretor da Secretaria de Gestão Governamental e deve dar expediente no Consócio Siga, para acompanhar de perto toda a movimentação. Segundo ele, sua atuação será focada apenas para ajudar nesta mediação e buscar soluções. ” Mas os envolvidos tem que querer”, afirma Chisté,  garantindo que a prioridade da Prefeitura são os salários dos servidores, o combustível para fazer a frota rodar e as condições mínimas para o serviço operar.

Apesar de fazer referência ao assunto, Chisté diz que a intervenção é o pior pode acontecer e estão trabalhando para evitar isso. As empresas pressionam para um novo reajuste da passagem, alegam algumas defasagens provocadas por ações judiciais e pela colocação de segurança nos terminais. Em tese, segundo o diretor, isso também não deve acontecer.

FOTO: divulgação Câmara de Vereadores
FOTO: divulgação Câmara de Vereadores

Interessante. Chisté presidiu o Seterb até o fim do ano passado, quando pediu para sair para cuidar da empresa dele. Em seu lugar entrou Erivaldo Caetano Jr, o Vadinho,  tucano de alta plumagem.  Dez meses depois volta ao Governo, em um cargo com menor visibilidade e menor salário, para uma tarefa que deveria ser responsabilidade do Seterb. Tem competência para o desafio, mas a Prefeitura deveria comunicar melhor as coisas. Do jeito que é hoje, sempre ficam duvidas atrás da orelha.



	

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta