Napoleão Bernardes e Dalirio Beber falam sobre fim do processo no STF

A delação do ex-executivo da Odebrecht, Paulo Welzel, contra os tucanos Napoleão Bernardes e Dalírio Beber em 2017 não se confirmou.  Eles foram acusados de ter recebido R$ 500 mil da empreiteira em despesas de Caixa 2 na campanha de 2012.

O Supremo Tribunal Federal arquivou o inquérito nesta segunda-feira, por decisão da ministra Rosa Weber, relatora do caso.

Napoleão e Dalirio fizeram parte da famosa lista de Janot, referência ao ex-procurador Rodrigo Janot, que determinou a abertura de mais de 80 inquéritos contra políticos depois de delações da Odebrecht.

“Página virada desta grande injustiça. O triste é que o dano à honra pessoal e o sofrimento nunca vão ser reparados. Mas vamos em frente . Como se diz , a Justiça tarda mas não falha”, afirmou o ex-prefeito de Blumenau.

Dalirio lembrou o constrangimento da delação. “Estou muito feliz, mas a repercussão desta decisão não será a mesma das acusações”, falou.

Você pode ouvir um pouco mais da fala do senador abaixo.

Os deputados petistas Décio e Ana Paula Lima também fazem parte desta investigação, mas sem sentença. Jean Kuhlmann (PSD), candidato a prefeito na época, é outro investigado pela Justiça, mas seu caso está no Tribunal Regional Federal  da 4ª Região.

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta