Hospital Santa Isabel realiza Gastroplastia com técnicas minimamente invasivas

Foto: Leticia Venera/Comunicação HSI

Segundo dados do Ministério da Saúde, o número de obesos no Brasil aumentou 67% entre 2006 e 2018. O resultado é o aumento na procura por hábitos de vida saudáveis e cirurgias para redução do estômago. O Hospital Santa Isabel avança no número de procedimentos de Gastroplastia realizados na instituição. É possível fazer o procedimento com incisões mínimas, por meio da cirurgia Videolaparoscópica ou Cirurgia Robótica. Em 2019 foram 48 procedimentos, realizados por uma equipe médica formada pelos doutores Nelson Gonçalves, Pedro Trauczynski e Andrew Massutti.

A Gastroplastia, também conhecida como cirurgia bariátrica, reúne técnicas e avanços da medicina em um procedimento que diminui o tamanho do estômago. Dessa forma, o paciente sente menos fome, se alimenta menos e perde peso. A técnica é indicada quando atividades físicas e dieta não surtem o efeito desejado para a perda de peso para tratamento de problemas de saúde relacionados à obesidade, ou estética.

A Gastroplastia é um procedimento seguro para emagrecimento, indicado para pacientes com IMC maior ou igual a 40 ou IMC entre 35 e 40 com ao menos duas complicações relacionadas.

Como é o procedimento?

A Cirurgia Bariátrica pode ser feita por meio da Videolaparoscopia ou Cirurgia Robótica, que garantem pequenas incisões e consequentes cicatrizes menores, pouco sangramento e recuperação acelerada. Um procedimento minimamente invasivo pode durar até três horas. Dependendo da gravidade das doenças associadas ao paciente (no caso da obesidade), após a cirurgia o paciente é encaminhado à UTI. Nos primeiros dias a dieta do paciente é liquida, para que o estômago menor se acostume com a digestão dos alimentos. Em alguns casos, o paciente só poderá alimentar-se normalmente trinta dias após o procedimento.

Obesidade

A obesidade está associada a fatores genéticos, mas hábitos ruins de alimentação e sedentarismo são a causa do aumento de pessoas obesas no mundo. A doença pode gerar outros problemas de saúde, como diabetes, colesterol alto, problemas cardiovasculares, doença do refluxo, hipertensão ou apneia do sono.

Acompanhamento psicológico

É imprescindível o acompanhamento psicológico do paciente e um familiar ou amigo da escolha dele, que deve participar do processo com o Psicólogo. Será avaliado se o paciente está ciente do processo cirúrgico irreversível a que será submetido e do quanto isso vai impactar em sua vida. Esse acompanhamento acontece tanto antes quanto após a cirurgia. É importante esclarecer ao paciente que a Gastroplastia não é o fim do processo de perda de peso e que o paciente terá acompanhamento médico ao longo dos anos seguintes, pois a redução do tamanho do estômago impacta na quantidade de vitaminas que o corpo absorve.

Além disso, conforme o paciente perde peso, começam a surgir excessos de pele ao redor do corpo, o que pode levar ao abalo emocional. O paciente poderá fazer, em alguns anos, uma cirurgia plástica para retirada do excesso de pele.

Posso engordar novamente?

Sim, é possível um paciente de Gastroplastia voltar a ganhar peso mesmo com o procedimento! O paciente segue emagrecendo mesmo um ano e meio após a cirurgia. Depois de um período de estabilização, o apetite aumenta. Se não houver alimentação balanceada e hábitos de vida saudáveis, existe a possibilidade de o paciente voltar a engordar.

Fonte: Comunicação HSI

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta