Abraham Weintraub é eleito para conselho do Banco Mundial

Foto: reprodução

O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub foi eleito diretor-executivo do Banco Mundial, de acordo com comunicado divulgado pela entidade, cujos funcionários levantaram questões em relação a comentários passados de Weintraub apontados como racistas.

Weintraub deve ocupar um posto que estava vago no conselho a partir da primeira semana de agosto e cumprirá o restante do mandato que termina no dia 31 de outubro, quando a posição será reaberta para eleição, disse o banco em comunicado divulgado em seu site.

A entidade disse que ele foi eleito pelo grupo que representa Brasil, Colômbia, República Dominicana, Equador, Haiti, Panamá, Filipinas, Suriname e Trinidad e Tobago, mas não deu detalhes sobre o placar da votação. O Brasil tem a maioria do poder de voto no grupo de nove países.

O diretor executivo que ocupava este posto anteriormente renunciou em dezembro.

A associação que representa os funcionários do Banco Mundial pediu no mês passado que a indicação de Weintraub fosse revista por causa de comentários feitos por ele no Twitter nos quais o então ministro ironizou o sotaque chinês, culpou a China pela Covid-19 e acusou o país asiático de buscar dominar o mundo.

Weintraub pediu demissão do Ministério da Educação em junho e anunciou que assumiria um cargo no Banco Mundial. A demissão ocorreu após divulgação de uma reunião ministerial na qual ele chamou ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) de “vagabundos” e defendeu que fossem presos, o que fez com que o então ministro se tornasse alvo de um inquérito no Supremo.

Ele também é alvo de uma investigação no Tribunal de Contas da União (TCU) sobre se usou de forma inapropriada um passaporte diplomático para viajar aos Estados Unidos, driblando regras de quarentena.

Em junho, a associação dos funcionários do Banco Mundial fez um apelo para que o comitê de ética da instituição suspendesse a indicação de Weintraub enquanto analisava se as declarações dele estão em linha com o código de conduta para os diretores do banco, que exige expressamente o respeito à diversidade.

Em resposta à carta dos funcionários, o presidente do conselho do comitê de ética do banco, Guenther Schoenleitner, disse que o Banco Mundial não tem influência sobre a indicação de diretores executivos, mas não toleraria declarações racistas de qualquer um que esteja servindo a instituição.

Fonte: Reuters

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta