Retorno às aulas

Camila Voltolini

Pedagoga

 

 

O reinício do ano letivo costuma vir acompanhado de muita curiosidade e insegurança. As crianças se questionam: “Quais serão os meus colegas?”, “Como será a minha professora?”. Os pais, por sua vez: “Meu filho será bem recebido/cuidado pela professora/creche/escola?”.

Todo este questionamento é normal neste período mesmo que não haja mudança de escola, pois um novo ano significa uma nova rotina e, como também é normal, a maioria de nós tem medo de mudanças. Mas, neste caso não há opção senão enfrentá-las. Então, por que não fazê-lo de uma maneira tranquila para todos?

As escolas se preparam para receber os alunos a cada início de ano através de diversas maneiras: (re)organização das turmas, reuniões de professores, planejamentos, etc. Todas essas maneiras buscam assegurar que os alunos sejam bem recebidos e acompanhados ao longo do ano letivo, desde o primeiro dia. Porém, é essencial que os pais também contribuam neste processo.

Os alunos precisam se sentir acolhidos pela instituição e, quando os pais transmitem segurança aos filhos, a (re)adaptação se torna mais fácil porque as próprias crianças sentirão confiança no local a partir das manifestações destes adultos. Por isso, é importante que os pais falem positivamente da instituição e dos professores. O maior exemplo de uma criança está nos pais e a tendência é o filho gostar daquilo que o pai/mãe gosta.

Partindo do pressuposto de que nunca agradamos a todos, um(a) professor(a) nunca agradará a todos também. Então, é importante que os pais procurem conhecer a filosofia e a dinâmica da escola porque, assim, será mais fácil entender a postura do docente e seu modo de interagir com as crianças e ministrar as aulas. Este entendimento facilitará a resolução de eventuais dúvidas e, consequentemente, facilitará todos os dias da criança na escola/creche.

Por fim, a dúvida que mais assusta uma criança é “quais serão seus colegas de turma”. Sobretudo quando ela já tem um grupinho de “melhores amigos”. Pois bem, “misturar” as crianças ou mudar a organização das turmas de um ano para o outro faz parte de uma preocupação própria das escolas em relação à socialização das crianças. A partir do momento em que uma criança interage sempre com a(s) mesma(s) criança(s) ela pratica com menos frequência várias habilidades pertinentes à socialização. Logo, é importante reforçar para a criança que ela não perderá os antigos colegas, mas, sim, ganhará novos colegas e, consequentemente, ela terá mais amigos.

Fica evidente que, além da instituição de ensino e professores, os pais possuem um papel fundamental no retorno às aulas e que, deste papel, a (re)adaptação da criança será mais alegre ou mais demorada. Portanto, fortalecer positivamente a escola/creche/professores, conhecer a filosofia/dinâmica da escola e incentivar as novas amizades são maneiras de tornar esse momento tão especial ainda mais especial.

1 Comentário

  1. Quando o professor vai ser reconhecido como um ser essencial na vida dos nossos filhos e obviamente ser remunerado como de fato merece.

Deixe uma resposta