Planos da China incluem a criação de uma usina energética no espaço

Ambiciosa, a China vem ampliando cada vez mais seu programa espacial e definitivamente quer que sua CNSA (China National Space Administration, ou Administração Espacial Nacional da China) compita com a NASA pelo posto de principal agência espacial do planeta. No início de 2019, o país pousou com sucesso, pela primeira vez na história, uma nave no lado afastado da Lua, e o bom andamento da missão Chang’e 4 acelera os planos chineses de dominar o espaço. Agora, o país quer construir uma estação de energia solar na órbita da Terra.

O programa espacial chinês recebeu um orçamento anual de US$ 8 bilhões, fazendo com que a China perca apenas para os Estados Unidos no que diz respeito à verba liberada pelo governo para projetos espaciais. E cientistas chineses já começaram a trabalhar em uma base experimental na cidade de Chongqing para a construção de uma estação espacial de energia solar, o que deve acontecer entre 2021 e 2025, com previsão de lançamento para até o ano de 2030.

Além disso, o país asiático também vem trabalhando na construção de sua nova estação espacial própria, chamada de Tiangong, com previsão de lançamento para 2022. A estação terá um módulo central e outros dois módulos para experimentos, pesando 66 toneladas e capaz de abrigar três pessoas ao mesmo tempo, com um ciclo de vida projetado para pelo menos 10 anos. Ali, a China pretende realizar pesquisas científicas próprias, incluindo em áreas como biologia e física. Ou seja: o país não pretende mesmo usar as dependências da Estação Espacial Internacional, preferindo investir seu tempo e dinheiro em uma estação exclusiva.

No ano passado, a China revelou o design do módulo principal da estação espacial, chamado Tianhe-1:

Fonte: Bloomberg

1 Comentário

  1. Será que os chineses não querem vir antes a Blumenau ensinar como se faz uma ponte ?

Deixe uma resposta