Planejamento de longo prazo

André Jenichen

Advogado

 

Talvez nem nos demos conta, em meio a tanta notícia sobre corrupção e deficiências nos serviços públicos, mas um problema crônico de nosso país está relacionado com as obras públicas de infraestrutura que não são concluídas. Verdadeiros esqueletos urbanos que assombram as cidades brasileiras por longas décadas.

Mas não é preciso ir muito longe. Aqui mesmo em Blumenau, há inúmeros exemplos. Parque das Itoupavas, margem esquerda do Rio Itajaí-Açu, revitalização da prainha, prolongamento da via expressa ou da Rua Humberto de Campos, para citar alguns exemplos. A lista é grande.

Aliás, os últimos anos o que se viu foi muita propaganda – que também deveria ser prática proibida, principalmente, quando são feitas apenas para destacar projetos e/ou obras inacabadas – e pouca ação.

Vamos refletir um pouco além. Creio que a origem deste problema esteja naquele velho modelo político que não admite a continuidade de obras planejadas ou iniciadas pelo antecessor. Em outras palavras, a inaceitável picuinha
política.

Seguimos com o exemplo de Blumenau. No ano de 2008, a cidade lançou o projeto Blumenau 2050. Um verdadeiro projeto de cidade. Elaborado tecnicamente pelo poder público municipal, mas que contou com a imprescindível participação da sociedade e de entidades privadas. Vários seminários foram realizados.

Esse projeto, é bom relembrar, foi objeto de inúmeras manchetes jornalísticas no Brasil afora, pelo seu pioneirismo e qualidade. Não era projeto de um governo, mas para o desenvolvimento sustentável de nossa cidade.

Nele estavam previstas uma série de obras e ações que deveriam ser realizadas ao longo dos anos, de forma ordenada e sequenciada. Tal como acontece em Países de primeiro mundo. Mas bastou a mudança de governo para que esse programa fosse engavetado. Em substituição? Nada além de um intolerável projeto político de governo de curto prazo.

E o resultado está aí, para que todos vejam. Obras que se arrastam. Outras que nem sequer saíram do papel. E outras que representam verdadeiros remendos que irão trazer graves transtornos futuros.

Recentemente, o governo mudou. O novo gestor, que aliás tomou parte na construção daquele projeto Blumenau 2050, assumiu o poder.

Espero, para o bem do futuro da cidade que o Blumenau 2050, dada a sua importância, seja resgatado do fundo dos arquivos. Cidade planejada é sinônimo de cidade próspera. Confiável e atraente para novos investimentos, novas
empresas, mais emprego e renda para as pessoas.

A cidade é muito maior do que qualquer governo. Creio e confio que seja possível superar questões pessoais e avançar para um novo modelo de administração pública.

2 Comentário

  1. Se fosse para dar continuidade nesse projeto Blumenau 2050, o POVO deveria ter votado no pré-candidato que deveria ser o sucessor do JPK.

Deixe uma resposta