O nobre Barão!

.

Publicidade camara_blu_hz
Foto: Gisele Tarnowski Spergort

Luiz Carlos Nemetz

advogado

 

Recebi, quinta-feira última, com uma gentil dedicatória, o novo livro do professor Gervásio Tessaleno Luz: “Máximas do Barão de Itapuí – Crônicas e Apontamentos”.

É o quinto livro do querido amigo e mestre dos anos setenta no Colégio Franciscano Santo Antônio, onde lecionava português, abrindo todas as aulas, apondo no quadro negro (sim, naquela época o que hoje é verde era negro) com sua letrinha miúda, um pensamento pinçado de uma letra de música, do verso de um poema ou de um trocadilho de um pensador consagrado.

Discípulo de frei Odorico Durieux, de quem se tornou biógrafo, e com quem fundou a Academia de Oratória Frei Francisco de Mont`Alverne, o cronista crônico introduziu milhares de alunos no hábito da boa leitura.

Entrava em sala de aula, sempre com um jornal debaixo do braço, um maço de “Charme” no bolso da camisa e um pito aceso por entre os dedos indicador e máximo da mão direita, que se tornavam brancos quando pegava no giz para fazer apontamentos.

As aulas de interpretação de texto eram sempre fundadas numa letra de um(a) poeta (nunca gostei de usar “poetisa”, assim como abomino “presidenta”) musical, como Chico Buarque, Dolores Duran, Herivelto Martins, Noel Rosa, Maysa ou numa crônica bem-humorada de “O Pasquim”.

Lembro que em 1978, ano que minha turma prestou vestibular, o tema da redação da UFSC foi a letra de “Quem Te Viu, Quem Te Vê” do Chico, a qual tínhamos debulhado estrofe por estrofe, nos anos do científico.

Bingo. Medalhas de ouro nos anos de chumbo.

Nascido em Rio do Sul, veio morar em Blumenau ainda menino.

O destino não poderia deixar longe desta velha madrasta aqueles olhos azuis. Perderam eles, ganhamos nós. Estudou em Curitiba e no Rio de Janeiro, onde foi contemporâneo da “nata da malandragem”, embora nunca conte nada a ninguém. Chegou a cursar Direito, mas seu amor pelas letras o levou ao jornalismo – carreira que exerce há mais de 50 anos, tendo passado pelos principais jornais da nossa Santa e bela Catarina, sem esconder sua paixão nem tão anônima assim, pelo “O Estado”, um dos mais importantes diários da nossa história (que foi afogado pelas águas da enxurrada dos arroios gaúchos, quando trouxeram para cá a RBS), do qual foi o principal responsável, durante muito tempo, aqui na galega Blumenau.

Boêmio, dono de uma fina e bem traçada ironia, reservado, discreto, cinéfilo, devorador de biografias, chegado num trago, tem um estilo clássico e próprio, sem jamais perder a classe e o romantismo. Uma mistura leve de Mano Jango, Tarso de Castro, Otto Lara Resende, Carlos Heitor Cony, Rubem Braga. Todos em um; e um para todos os gostos.

Poucas pessoas conhecem tanto a boa música popular brasileira. De modo especial o samba e a bossa nova.

Como todo bom pescador, embora mantenha as raízes do pé da serra geral em alguns hábitos, adora o mar e sabe andar sem guias por cada cantinho do nosso maravilhoso litoral.

Passarinheiro, tal qual Mário Quintana, conhece quase tudo e todos pelo pio.

Espia a maré e ri…

Seu novo livro é uma delícia. Daqueles para se ter para sempre sob os olhos. Li de um sopro só.

A literatura do baronato não tem errada. Já virou uma escola. O Barão de Itararé (Apporelly, Apparicio Torelly) e o Barão de Sacujit (Tijucas ao contrário – de Alexandre Gomes) que o digam.

Na obra do mestre Tessaleno se encontra de tudo: quotidiano, pássaros, cães, história e estórias. E muitas entrelinhas no meio das próprias linhas. Uma consagração à saudade, que é o único sentimento que nunca morre de velho. A nobreza do título referenda a fidalguia do autor e a majestade da obra: o máximo!

1 Comentário

  1. Alcino Carrancho, Aquele Que Nestas Próximas Eleições Somente Votará em Candidato "Zero Quilômetro" disse:

    “As aulas de interpretação de texto eram sempre fundadas numa letra de um(a) poeta (nunca gostei de usar “poetisa”, assim…”

    Prezado Nemetz: “nunca gostei” é a mais “pura” cacofonia! Queira empregar, como sugestão, “jamais gostei”.

    O seu texto, porém, está quase perfeito e eu sou seu fã.

Deixe uma resposta