O estilo Gilson Marques de ser deputado federal

Mais uma mostra do jeito diferente de fazer política do único representante do Médio Vale do Itajaí no Congresso Nacional, o deputado federal Gilson Marques, do NOVO. Novamente sem juízo de valor.

Numa semana que a causa municipalista ferveu em Brasília por conta da Marcha dos Prefeitos com vários eventos paralelos, Gilson disse ter focado sua semana de trabalho em suas atribuições, entre elas, membro da CCJ que analisa a proposta de Reforma da Previdência.

Por conta disso não compareceu na posse do novo coordenador do Fórum Parlamentar Catarinense, o deputado Rogério Peninha Mendonça  (MDB), sendo o único deputado da bancada de Santa Catarina ausente no evento eminentemente político, ainda mais com a grande quantidade de prefeitos na capital federal.

Também não participou da reunião do prefeito de Blumenau, Mário Hildebrand (sem partido) e do ex-deputado federal João Paulo Kleinübing (DEM) na secretaria de Aviação Nacional para tentar reverter o problema do balizamento noturno do aeroporto Quero Quero.

Perguntei se ele havia conversado com algum prefeito da região – além de Hildebrandt, Ércio Krieg, prefeito de Pomerode, domicílio eleitoral do deputado Federal – e Gilson Marques disse que ninguém foi ao seu gabinete, mas afirmando ter conversado com outros, como por exemplo de Videira.

Não é usual na política.

A ida de um prefeito de uma cidade pólo como Blumenau à Brasília mereceria uma atenção protocolar, de ambas as partes. Ou não?

O debate sobre os recursos do aeroporto Quero Quero, que está em Blumenau mas tem uma função regional, pode não ser a atribuição principal de um parlamentar, mas é sim parte das atividades. Ou não?

A posse de um coordenador de Fórum político a qual o deputado Gilson pertence, que, pelo menos em tese, tem a função de defender os interesses de Santa Catarina, deveria unir a todos os envolvidos, eleitos pelos catarinenses. Ou não?

 

3 Comentário

  1. Desculpa vc acha que ele tinha que sair da ccj pra ficar lá sentado olhando a cerimônia de coroação do peninha? Sério isso? E mais importante que decidir a previdência?

  2. Desculpa de novo mas preciso comentar. O texto está com uma versão deturpada e mal informada do trabalho de um deputado federal. O trabalho dele não é bater papo com prefeito nem fazer politicagem pra angariar voto pra reeleição.
    Ele foi corretíssimo. O aeroporto de Blumenau não cabe no ambiento federal. O deputado federal tem que defender Santa Catarina com o pacto federativo, abrindo mão de privilégios, legislando em prol das necessidades do povo e não em prol de uma cidade específica ou setor específico. Ele fez bem em não ser politiqueiro, como os outros são. Ele está focando no trabalho dele e não no trabalho dos outros que ele nada pode fazer. O aeroporto de Blumenau por ex, ele não pode fazer nada, e o “repórter” escreve um textão de Facebook desses?

  3. Muito cedo para avaliar. Mas até então com os outro políticos que participam desses encontros, e dessas reunião. Qual foi o resultado? Uma foto para as redes sociais.
    Essas viagens feitas pelos prefeitos e vereadores a Brasília, qual foi o resultado até então?
    Aliás, se for somar o que se gasta em viagens de prefeitos, vereadores para participar desse encontros sem resultados, daria para atender alguma demanda com a economia dessas diárias. Ou não?

Deixe uma resposta