Conversa tardia

Foi mais uma sessão tumultuada na Câmara de Vereadores de Blumenau. Tudo por conta de uma reunião, marcada pelo Sintraseb na sede do Legislativo, com os representantes dos servidores por local de trabalho, para debater questões como a retirada do FGTS de ACTs, gratificação de diretores de escolas e coordenadores pedagógicos, entre outros assuntos.

Quando deu 15 horas, horário da sessão, os vereadores chegaram para o plenário e foram vaiados e hostilizados pelos trabalhadores. O presidente interino Almir Vieira (PP) até tentou começar a sessão, mas não conseguiu. E chamou os vereadores para ver o que fazer na famosa sala que fica nos fundos do plenário.

Nem todos foram: Bruno Cunha (PSB), Ricardo Alba (PSL) e Professor Gilson (PSD) ficaram no plenário, eles que votaram contra o projeto do Governo que retirou os FGTS dos ACTs ( no caso de Alba, ele não estava na sessão extraordinária de segunda, que não tinha esta pauta).

Depois de um bom tempo, os coordenadores dos Sindicato, Sergio Bernardo e Sueli Adriano, foram chamados para conversar com os vereadores na tal sala e ficou-se acertada duas coisas. Liberaram a Tribuna Livre para Sergio Bernardo se manifestar e assumiram o compromisso de intermediar uma reunião com o Executivo antes da próxima terça-feira.

Tarde demais. Porque não fizeram isso antes de votar? Os novos ACTs já estão assinando os novos contratos sem o FGTS.

Independente de quem tem razão, o Governo e os vereadores tem que parar de votar projetos como este em apenas um dia. O Parlamento, a Casa do Povo, deve fazer o bom debate e, se possível, com a participação dos interessados.

E a Prefeitura, que até tem bons argumentos para o projeto, deve comunicar-se melhor. Com a sociedade, com os interessados e com os vereadores. Para não acontecer mais um triste episódio para a política de Blumenau.

Confira alguns vídeos que sintetizam a sessão desta quinta-feira.

 

 

 

1 Comentário

  1. “Independente de quem tem razão, o Governo e os vereadores tem que parar de votar projetos como este em apenas um dia. O Parlamento, a Casa do Povo, deve fazer o bom debate e, se possível, com a participação dos interessados.”

    Caro Alexandre ,

    O nosso parlamento a muito tempo deixou de ser a Casa do Povo , podemos dizer que se transformou na “Casa dos Patos” e isto só vai mudar em 2020 , caso o eleitor pense muito antes de votar , que analise a conduta de todos que forem tentar a reeleição e não vote em vereador
    que é subserviente ao executivo em troca de cargos comissionados ou em vereador condenado ou investigado . Esperamos que em 2020 o eleitor faça a limpa , mas infelizmente a maioria só usa jornal para embrulho e diz que não gosta de política , elegem sem pensar e depois reclamam .

    Votaram um projeto em 30 minutos em sessão extraordinária e agora não sabem o que dizer .

Deixe uma resposta