As querelas jurídicas sobre a Companhia Urbanizadora de Blumenau

Nesta quarta-feira, 20, acontece a primeira reunião com um juiz do trabalho na questão das demissões da Companhia Urbanizadora de Blumenau, com representantes da empresa de companhia mista que tem a Prefeitura como maior acionista e um dos dois sindicatos de trabalhadores das categorias que fazem parte da URB, o dos Trabalhadores de Asseio e Conservação.

A Procuradora do Trabalho Bruna Bonfante estará presente, mas a audiência não tem, de forma direta, relação ao procedimento instaurado por ela, recomendando que a Prefeitura suspendesse as demissões de cerca de 600 trabalhadores da URB, com o argumento da falta de uma negociação coletiva com os sindicatos da categoria, tese que passou a ser questionada e modificada depois da Reforma Trabalhista.

O encontro desta quarta é sobre uma ação civil pública do sindicato dos Trabalhadores de Asseio e Conservação, com a mesma argumentação da Procuradora do Trabalho, falta de negociação coletiva junto ao sindicato.

Nesta terça, aconteceu a reunião no Ministério Público do Trabalho entre as partes, mas sem avanços.

1 Comentário

  1. Não entendo , se a empresa pagar rigorosamente os direitos trabalhistas sobre as demissões , qual acordo coletivo que o sindicato quer ?

    Contrato de trabalho esta amparado pelas leis , tanto na admissão quanto na demissão , estão querendo o que ?

Deixe uma resposta