Advogado da Comissão da Igualdade Racial da OAB/SC fala sobre a “falsa” Abolição da Escravatura na Câmara de Blumenau

Foto: CMB

No início da sessão ordinária desta terça-feira (14) o representante da Comissão da Igualdade Racial da OAB/SC, o advogado Marco Antônio André, ocupou a tribuna livre para falar sobre o que chamou de “falsa abolição da escravatura”.

Lembrou que no dia 13 de maio é celebrado o dia da abolição da escravatura, mas ponderou que em 14 de maio de 1888 foi o início do encarceramento dos negros.

Disse que os negros eram barrados de estudar em escolas públicas ou com ligações religiosas e que foi no dia 14 de maio que iniciaram a criação dos bolsões da pobreza nas cidades brasileiras. “Nos transformaram na carne mais barata, o corpo que pode ser enjaulado como animais”, registrou.

Afirmou que apesar de serem todos humanos, muitos foram transformados em coisas.

Provocou os vereadores a olharem para outras religiões como a umbanda. “Depois de 131 anos dos meus ancestrais terem sido escravizados, precisamos olhar para trás e ver que a história está muito latente. Cerca de 70% dos encarcerados são negros e pardos”, assinalou.

Também falou sobre as desigualdades no processo eleitoral. Argumentou que de cada cinco reais destinados a fundos partidários para eleições, apenas um real é destinado para candidatos negros e quatro reais são destinados a candidatos brancos.

1 Comentário

  1. Quantos funcionários negros a OAB possui em Blumenau ?

    Aguardamos resposta do nobre causídico ….eu disse funcionário , não advogado .

Deixe uma resposta