A Polêmica Ponte do Centro

Arte: PMB

Por Rodolfo Souza

Empresário

 

Apesar de a Prefeitura de Blumenau ter recentemente comemorado a possibilidade de continuidade do processo de licitação para construção da nova ponte do centro de Blumenau, novos fatos e documentos demonstram que ainda não foram sanadas todas as irregularidades, nem foram feitos todos os Estudos necessários para a segurança dos Munícipes.

O Ministério Público do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina, em dezembro de 2018, emitiu um parecer pedindo a suspensão do processo de licitação, ao menos até que a Prefeitura de Blumenau faça todos os estudos hidrológicos e geológicos e obtenha as autorizações nos órgãos necessários.

Por sua vez, também em dezembro de 2018, o departamento técnico do TCE-SC elaborou relatório corroborando a manifestação do Ministério Público e advertiu sobre as graves consequências de se construir uma ponte em curva de rio, com altura abaixo da cota de enchente e que isso pode representar um perigo para os moradores da cidade. Nesse relatório, os técnicos do TCE-SC esclarecem sobre a necessidade de estudos mais aprofundados e adequações a fim de minimizar os danos ambientais.

É importante lembrar que a ponte está projetada abaixo da cota das enchentes mais altas e tem 6 pilares na calha do rio, o que contraria um estudo feito há quase duas década, por técnicos e pela FURB, que recomenda não instalação de pilares na calha do rio Itajaí, devido aos problemas nas margens do rio.

Ouvidas a respeitos, entidades, cidadãos e associação de moradores dizem perplexos com as decisões políticas que se sobrepõe as decisões técnicas, e informaram que estão estudando possíveis medidas a serem adotadas. Não está descartada a possibilidade de acionar, também, os responsáveis pela licença ambiental junto ao IMA (FATMA), que em tempo recorde emitiram o documento, sem análise de todos os documentos.

Relembrando, essa Ponte é objeto de discussão desde 2012, quando o então candidato a prefeito Napoleão prometeu alterar o lugar da construção. A sociedade civil reagiu a essa decisão, promoveu várias ações e denúncias junto ao BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento – que iria financiar a obra. O referido banco, em 2015, emitiu documento atestando que os projetos da prefeitura não atendiam minimamente os requisitos técnicos para sua aprovação.

A prefeitura então, agindo politicamente, requereu financiamento junto ao Ministério das Cidades, órgão menos rigoroso e menos exigente quanto aos requisitos técnicos, pois como se sabe, atende mais aos interesses políticos do que a boa técnica.

Porém, uma cidade como Blumenau que sofre constantemente com enchentes não pode agir desta forma. É uma irresponsabilidade sem precedentes. E é isso que a sociedade vem alertando desde o início.

2 Comentário

  1. Ainda batendo em favor desta ponte, em curva de rio, sabe-se que não é possível. Será mesmo que é só para poder mostrar que fez uma ponte em seu governo, isto é para alimentar seu Ego de EU faço, Eu fiz, e usar nas eleições, me poupe Sr. Prefeito , vá verifique pessoalmete estamos precisando com urgência de reformas e Manutenção a ponte da Itoupava Norte , aquela que todos precisam atravessar para a Região Norte da cidade e também aquela ali da Prefeitura Velha. Ah, e não fazer Remendos, e na ponte da Itoupava Norte passaram uma mão de cal branco isto é a manutenção? Senhor em que cidade vivo, quando me disseram :olha, Márcia , já fizeram a manutenção jogaram um cal brando nas laterais. E ainda na Itoupava Central fiquei super admirada uma cidade que se diz a terceira melhor em tudo no Estado fazem pontes de madeira ainda e inauguram como se fosse a obra do século . Pois esta é a Blumenau desta governança aí. Vamos lá João Paulo, comece desde já pensando em sua bela campanha, pois a cidade que adotaste como tua, clama por você.

Deixe uma resposta