A disputa esquenta no PSL catarinense

PS: A foto do título foi feita depois na eleição, ainda na lua de mel interna. 

O principal alvo deste tiroteio interno do  PSL catarinense, Lucas Esmeraldino, presidente estadual e secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável, manifestou-se sobre o racha na sigla, que elegeu o governador, seis deputados estaduais e quatro federais.

Lembrou que até recentemente muitos não acreditavam no PSL, que está surpreso com a manifestação de três deputados federais – Caroline de Toni, Coronel Armando e Daniel Freitas. ” Lamento que tenham expostos uma questão interna desta forma.”

Os deputados enviaram um documento à direção nacional do PSL, pedindo a destituição de Lucas Esmeraldino da presidência estadual e a formação de nova executiva estadual, leia aqui.  Divulgaram neste fim de semana, também pelas redes sociais, novo texto onde dizem que “de maneira nada republicana, Lucas enviou a Brasília o documento com a suposta executiva visando um único interesse: ter o controle absoluto do partido em Santa Catarina.”

O interessante, na resposta de Esmeraldino via vídeo nas redes sociais, é que ele usa o tempo para defender que o PSL não utilize o fundo partidário.

Importante, mas fora de contexto. Ou será que a posição dos novos deputados federais pode ser diferente?

O vídeo com a manifestação de Lucas Esmeraldino você pode conferir aqui.

A manifestação dos deputados federais, pedindo a cabeça do Esmeraldino, você lê abaixo.

A crise é latente. E tem gente que acha que a culpa é da imprensa.

“PSL SC terá nova Executiva em Janeiro

Após a vitoriosa trajetória dos candidatos do PSL nas eleições de 2018 – fruto do trabalho das bases e das lideranças de direita-, o presidente estadual do partido, Lucas Esmeraldino, firmou compromisso para debater em 2019 a formação da nova Executiva Estadual do PSL.

Ocorre que em dezembro de 2018, quebrando a palavra de forma personalista e sigilosa, Lucas ESCOLHEU TODOS os membros da executiva estadual ligados de alguma forma a seus interesses particulares. De maneira nada republicana, Lucas enviou a Brasília o documento com a suposta executiva visando um único interesse: ter o controle absoluto do partido em Santa Catarina.

Depois de ouvir as bases, unicamente em defesa da ética e daqueles que não têm voz, decidimos agir. É por não admitir que projetos particulares de poder se perpetuem que decidimos nos opor frontalmente a este ensaio de ditadura e controle absoluto dentro do partido.

Como deputados federais, protocolamos um documento na sede do PSL Nacional. Para o bem do PSL/SC, do espírito republicano e da moralidade que deve sempre nortear a condução do partido, o pedido foi aceito.

Uma nova executiva provisória será composta. Em conversa pessoal em Brasília com o vice-presidente Rueda – e por via telefônica com o presidente do PSL nacional, Luciano Bivar – ficou acordado que nos próximos dias ele virá a SC para dialogar e montar uma nova executiva provisória, com a participação de todos, inclusive do atual presidente, haverá finalmente o debate, de forma democrática e transparente.

Com essa notícia, comunicamos que o objetivo de atender as bases e tornar o PSL democrático novamente foi cumprido. Por último e não menos importante: a AÇÃO proposta por nós sempre teve caráter PROVISÓRIO e não definitivo. A partir de agora, com o compromisso do PSL Nacional, trabalharemos pelo consenso.

Caroline De Toni, Coronel Armando e Daniel Freitas”

1 Comentário

  1. Dentro da caverna de Ali baba , os integrantes disputavam o resultado das pilhagens , pelo jeito nada mudou .

Deixe uma resposta